1 2 3
17

354 crianças que nasceram no hospital Madre Theodora, em Campinas, entre os meses de Janeiro e Julho, foram convocadas para realizar exames de tuberculose


No último mês de agosto, foram confirmados três casos de tuberculose em bebês na cidade de Campinas. Os diagnósticos foram realizados no Centro Médico, no Hospital e Maternidade Celso Pierro e no Hospital Municipal Dr. Mario Gatti. As crianças diagnosticadas nasceram no Hospital e Maternidade Madre Theodora no período de fevereiro a maio de 2012.

Apesar de a tuberculose possuir tratamento e cura, para evitar uma disseminação da enfermidade, é necessário realizar avaliações para descartar possíveis quadros da doença e garantir o bem estar e saúde dos possíveis expostos.

O Hospital e Maternidade Madre Theodora, assim que recebeu a notificação da Vigilância Epidemiológica, investigou o caso e localizou um colaborador com tuberculose pulmonar. O funcionário, que estava em férias desde o dia 1° de julho, durante este período, foi diagnosticado no Hospital e Maternidade Celso Pierro. Desde então ele continua afastado de suas atividades profissionais. O Madre Theodora realizou uma investigação para descartar a doença em pessoas próximas da fonte e está fazendo o mesmo com todo o seu quadro de funcionários por meio da realização de exames de Raio-X de Tórax e PPD (Derivado de Proteína Purificada). Vale ressaltar que não há nenhum outro caso dentro da instituição.
Para proporcionar mais tranquilidade aos seus pacientes, o hospital, em conjunto com a Vigilância Epidemiológica do estado e do município, também começará a investigar se existem outros casos da doença nos bebês nascidos na instituição entre os meses de janeiro e junho de 2012. Este processo se dará em duas etapas: na primeira, serão examinados os que tiveram contato direto com a fonte; em seguida os que puderam ter sido expostos a ela. Os pais das crianças receberão uma carta em suas residências com uma data de comparecimento agendada, para a realização de consulta médica e exames, que iniciarão a partir da semana do dia 24 de setembro. 

Sobre a doença 

A tuberculose é uma doença infecciosa causada por uma bactéria chamada deMycobacterium tuberculosis, também conhecida como Bacilo de Koch, em homenagem a Robert Koch, médico alemão que identificou a bactéria. A doença é bastante conhecida por afetar principalmente os pulmões, mas também pode atingir outros órgãos do corpo, como ossos, rins e meninges (membranas que envolvem o cérebro).
Transmitida por meio de aerosol (minúsculas gotículas de saliva), a tuberculose tem como sintoma mais comum a tosse, que no início é seca e contínua. Com o passar do tempo, apresenta secreção, podendo se transformar em uma tosse com pus ou sangue.
Entre as décadas de 80 e 90, quando se começou a falar sobre HIV, a infecção por tuberculose voltou a ser uma grande preocupação, já que pacientes com a imunidade comprometida são mais suscetíveis ao bacilo. Além da AIDS, pessoas com diabetes, insuficiência renal crônica (IRA), desnutridas, idosos doentes, usuários de álcool e outras drogas/tabagistas, pulmonares crônicas estão mais propensas a contrair a tuberculose.

Em 2010, aproximadamente 6,2 milhões de casos foram notificados. O Brasil é o 16° país com maior incidência de tuberculose no mundo. No entanto, esta incidência tem caído consideravelmente nos últimos anos. Enquanto em 1999 era de 51 casos para cada 100.000 habitantes, em 2007 já havia caído para 38 por 100.000.
Apesar da simplicidade do contágio, somente de 5% a 10% dos infectados pelo Bacilo de Koch desenvolvem a doença, nos demais, o sistema imunológico combate a exposição.
Nas crianças, principalmente nos lactantes, o diagnóstico é muito difícil, pois elas não apresentam sintomas bem característicos como febre vespertina, tosse produtiva, sudorese noturna e emagrecimento, comuns nos adultos, por exemplo. Elas geralmente possuem quadros pulmonares arrastados, que são tratados, mas retornam e parecem não sarar por completo, apresentam principalmente dificuldades de ganho de peso, além de apresentarem manifestações extra - pulmonares.

A tuberculose, no entanto tem cura. O tratamento indicado acontece à base de um esquema de drogas antibacterianas associadas: rifampicina (R), isoniazida (H), pirazinamida (Z) e etambutol (E). O tratamento deve ser feito por no mínimo seis meses, sem interrupção, diariamente. É importante frisar que os pacientes deixam de transmitir a tuberculose após aproximadamente 15 dias de tratamento e que bebês não transmitem a bactéria. O indivíduo pode voltar a transmitir a doença caso não complete o tratamento pelo período indicado.
A suspeita da doença é levantada pela história clínica de tosse por mais de três semanas, sem outra causa. O raio-x de tórax é um exame que ajuda a confirmar a suspeita quando apresenta resultado alterado. O diagnóstico, que comprova a doença, é realizado por meio da coleta de escarro com pesquisa e cultura de agente da tuberculose positivo.

Existe uma vacina chamada de BCG, que faz parte do calendário vacinal nacional, e é administrada em recém-nascidos, ou o mais precocemente possível, para evitar formas graves de tuberculose como a neurológica e miliar. 

 

17 comentários:

Anônimo

Caso a mãe queira mais informações sobre esse assunto, por favor, ligar para 0800-9402373. Caso o número esteja ocupado ligar para 37563067.

Anônimo

ridiculo este hospital

Anônimo

Ridiculo este hospital!!!Minha filha nasceu la em Junho e esteve com tosse por mais de 3 semanas!!! E ainda tosse de vez em quando. Fique indignada com a noticia, pois nao bastasse o atendimento pessimo das minhas consultas, horas de espera .... medico que so pensa em dinheiro .... depois de uma semana do parto , voltei para outro hospital com hemorragia e descobri que a equipe medica havia deixado placenta em mim e tive que passar por outra cirurgia .... transtorno em todos os sentidos!!!
NAO RECOMENDO ESTE HOSPITAL A NINGUEM!!!!

Anônimo

Sempre fui muito bem atendida no MAdre Theodora!!! Acoenteceu lá mas poderia ser em qualquer lugar....Se investigarmos de perto todos os hospitais passam por problemas parecidos!

Anônimo

Fui lá varias vezes e esperei muuuitas horas... quem faz parte dessa equipe? Pensava em ter minha filha lá...obrigada

Anônimo

Tive dois bebês no Madre Theodora, sendo um em 2010 e o último em Março de 2012, e posso afirmar que em um ano e meio o hospital entrou em decadência. Em Março desde ano, nasceu meu segundo bebê, além de ter convênio aceito pelo hospital, paguei do próprio bolso para o anestesista de plantão. O mesmo só conseguiu me aplicar a RAQUI na QUARTA tentativa, em seguida esbarrou no meu braço a ponto de ter tirar a agulha do local, e por fim, para encerrar com chave de ouro, após ver o rostinho do meu bebê, ele simplesmente desapareceu do centro cirúrgico e eu fiquei sem anestesista até o final da cirurgia que teve algumas complicações pois meu útero estava muito fino. Até hoje não sei o nome deste indivíduo, mas Deus sabe o que faz, quando permite que um ser humano passe no vestibular, tire o diploma de médico e atue vergonhosamente colocando a minha vida em risco. Eu precisava desabafar, fiquei sem anestesista, não pude tomar banho após meu parto, porque havia estourado um cano, também fiquei sem comida (problemas na cozinha), só me davam chá com 4 bolachinhas, meu marido levou comida para mim, fui incomodada inúmeras vezes por enfermeiras que pareciam ter 18 anos de idade e se atrapalhavam para conferir a medicação. Só por Deus mesmo, pedi alta antecipada para a minha médica para poder tomar um banho e descansar finalmente da minha cesárea em casa. E quando eu achava que tinha superado tanta negligência, vem a notícia da funcionária que contraiu tuberculose. Meu marido ligou para o tal 0800 e foi incrivelmente mal atendido, então entramos em contato com o pediatra que acompanha meu bebê desde o nascimento e que já nos tranquilizou. Amanhã tentaremos o 0800 novamente, quem sabe a pobre da atendente consiga nos passar alguma informação consistente.

Anônimo

Eu concordo...Poderia ter acontecido em qq hospital...ridículo é esse povo que agora vai mete o pau!!

Anônimo

Ola tive meu primeiro bebe la em 2007 fui muito bem tratada por todos da equipe do meu medico q me acompanhou por toda minha gestacao enfermeiros exemplares prestativos nunca imaginei q em um hospital eu pudesse ser tao bem tratada principalmente em um momento desses q ficamos tao frageis. Meu segundo bebe nasceu em fevereiro desse ano e eu so soube q nao poderis ter la novamente vespera do meu parto, por problemas com o convenio critiquei a Deus briguei c a unimed chorei por 3 DIAS qria ter tido meu filho la so hoje entendi o proposito de Deus meu filho podia ser uma dessas criancas contaminadas, tive ele no caism da unicamp horrivel te deixam de lado te tratam feito um nada a comida e horrivel te jogam la e falam se vira, mas meu filho esta bem saudavel e isso e q conta. Acredito q Deus tem um proposito em tudo e q isso pode acontecer em qualquer lugar e sem duvida um grande hospital e tem sim grandes profissionais! Que Deus cuide dessas criancas e q nda d ruim aconteca a elas!

Tainah Poiani Vanegas Fontes

Concerteza esses problemas podem acontecer em qq hospital, mas NÃO deveria acontecer em nenhum, se tratando de hospital e saúde. Eu queria ter tido meu primeiro filho no Madre Theodora, mas ele ia nascer prematuro e não tinha vaga na UTI neonatal, me mandaram para maternidade. Ocorreu td bem, na minha seunda filha tive na maternidade tb, a enfermeira ia me dar um remedio para pressao, vi que a cor do remedio nao era as do que eu tomava, ai perguntei para que era , enfim era para a minha colega de quarto. Temos problemas com enefermeiros em td lugar. Mas no caso do Madre Theodora, em uma das minhas idas ao pediatra, conheci uma mãe, que tinha gemeos pequenos, começamos a conversar..ela disse que nasceu trigemos, dois ficaram na uti neonatal, ambos pegaram a infecção no hospital...ela afirma que as enfermeiras nao lavavam as mão para pegas nos nenes..ela chegava a falar para as enfermeiras lavarem as mãos...Um de seus bebes chegou a falecer...ela disse o hospital matou meu nene! Ela entrou com um processo contra o hospital..Uma mãe que perdeu um filho, ficou com pavor do madre theodora. Acho que todos os hospitais tem seus problemas, mas qdo tem qq problemas temos que ficar em cima, não achar esse tipo de situação normal, pois nãol pode acontcer na area da saude, estamos tratando de vidas.

Débora

"minha filha tbm esta com a bacteria...iniciará o tratamento segunda para que não desenvolva a doença...quantas sera que esta na mesma cituação??.."

Anônimo

Tive meu bebê lá no Madre dentro desse periodo, e gostaria de me unir as mães que eles dizem que não estão na lista das 350 crianças que tiveram contato com essa enfermeira e q temos que aguardar a 2ª remessa, é um absurdo disponibilizar somente uma clinica para realizar todos esses exames, não quero aguardar esse periodo. Tenho inúmeras reclamações a fazer do Madre Theodora e essa contaminação é para fechar com chave de ouro, e quem diz que pode acontecer em qualquer hospital me desculpe, mas como pode uma técnica de enfermagem trabalhar em uma MATERNIDADE com tosse ou q seja uma simples gripe, foi negligência!! e não tenho dúvida disso. Se alguma mãe estiver na mesma situação que eu favor me enviar um e-mail luanfel@hotmail.com
Precisamos unir forças porque isso é mais sério do que a gente imagina!

Anônimo

alguém sabe qual era a enfermeira? por que aí também dá para saber se ela veio no quarto...

Anônimo

Cintia

Debora estou na mesma situação sua,se quiser entrar em contato me avisa postando um comentário q eu te passo meu email

Anônimo

hoje descobri que meu filho não teve contato direto porem o quadro dele apresenta sintomas e o ppd dele deu 10 e foi considerado como quadro 3 e tera q fazer o tratamento :( emers.br@hotmail.com

Sidval Oliveira

No meu entender há danos morais pela simples contaminação de tuberculose nos pacientes recém-nascidos, pois a angústia e sofrimento destes pais é evidente, agravado pelo modo e como ocorreu o incidente.
http://www.sidvaloliveira.com.br/index.php/noticias/544-vitimas-do-hospital-madre-theodora-tem-direito-a-danos-morais

Anônimo

Meu filho nasceu no Madre, fui mto bem tratada o parto foi um sonho. Porém agora que está com 1ANO 4 MESES, durante esse período meu filho ficou doente várias vezes, fazendo um uso mto grande de antibióticos e corticóides. Agora iniciou ontem o tratamento para TB, ainda não confirmaram o bacilo porém como tem uma lesão no pulmão e pontuação de TB foi 40 pontos a médica iniciou o tratamento. Estou com alívio pelo diagnótico, porém com revolta pela avaliação tardia, pela forma como fui atendida pela equipe de avaliação de Paulinia, só consegui ser ouvida e confirmar a TB quando eu procurei a Pneumo do Madre, que é mãe deve saber a revolta que senti ao ver meu bebê ser entubabo por sonda por três dias consecutivos, pois isso é necessário para retirar secreção para identificação do bacilo. REVOLTA POR SABER QUE MEU FILHO PODE ESTAR DOENTE A 01 ANO E 04 MESES!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Anônimo

Oi boa tarde meu nome e Edson eo da minha esposa e elane gostaria de saber se vc processou o hospital poi meu filho foi contaminado ele nasceu 16 de junho e fez o tratamento ss_edinho@hotmail.com. Obrigado

Postar um comentário

Mãe Amiga talvez você goste...